Allen, Steve Persuasão e Influência

June 11, 2019 | Author: Rafael Souza | Category: Thought, Emotions, Self-Improvement, Neuro Linguistic Programming, Learning
Share Embed Donate


Short Description

Como persuadi com psicologia...

Description

PERSUAÇÃO E INFLUÊNCIA USANDO PADRÕES DE LINGUAGEM E TÉCNICAS DE PNL

COMO PERSUADIR, INFLUENCIAR E MANIPULAR USANDO PADRÕES DE LINGUAGEM E TÉCNICAS DE PNL

Steve Allen D.

1ª edição, maio de 2016 Postado por Steve Allen em CreateSpace ISBN: 97815347644 9781534764446 46

Imagine que você possui a capacidade de dirigir ou mudar os pensamentos pensamentos das pessoas... Consegue sentir o poder que isso te daria? Gostaria de ter esse poder e alcançar todos os seus objetivos? Se você está conversando com seu parceiro, com seus amigos, escrevendo um anúncio publicitário, um e-mail de trabalho ou tentando convencer um grupo de pessoas para que pensem como você, você precisa conhecer os métodos que os mestres da persuasão utilizam para mudar os pensamentos das pessoas e fazê-los agir. Você descobrirá o que faz com que as pessoas se movam. Encontrará uma coleção das técnicas mais  persuasivas usadas por políticos, publicitários, escritores escritores de propaganda, e todos os que que são capazes de mudar rapidamente os pensamentos de um indivíduo ou um grupo de pessoas. Você pode usar essas técnicas para fazer com que uma pessoa faça coisas que normalmente não faria, mudar suas crenças, mudar seus pensamentos, convencê-las de algo ou colocá-las em movimento. Seja qual for sua motivação, neste livro você vai encontrar as ferramentas que você  precisa. Os padrões que aprenderá foram retirados de manuais de operações psicológicas, observações de  psicólogos, manuais de vendas vendas e experiências. Estas ferramentas podem ser tão fortes e poderosas que podem fazer muito mal ou muito bem àqueles que nos rodeiam, portanto use-as de forma ética. A aprendizagem de padrões de linguagem persuasivos é relativamente rela tivamente simples quando se tem te m uma  boa aproximação e esse é o objetivo deste livro. Ele é projetado para ser ser um guia que lhe permita criar fundamentos sólidos rapidamente e será capaz de aplicar os padrões de linguagem em qualquer lugar a partir do momento em que lê-lo. Este livro não está projetado proj etado para fins académicos, mas  para ser introduzido na vida real. Veremos padrões desenvolvidos para eliminar a resistência, para focar as pessoas em algo que você esteja interessado, introduzir comandos hipnóticos, e em geral fazer com que as pessoas se movam na direção em que você deseja. Todos os padrões que veremos são muito simples de aprender e  podem ser introduzidos facilmente em uma uma conversa normal. Em "Persuasão e influência usando padrões de linguagem e técnicas de PNL" você irá encontrar:            

As diferenças entre padrões escritos e falados falados Colocando ideias ideias na mente mente de outras pessoas Criando um estado mental mental em que as pessoas estejam prontas para aceitar suas suas ideias ou produtos Como mudar mudar a mentalidade de alguém Como fazer fazer com que suas sugestões sejam aceitas Como mudar mudar ou enfraquecer crenças Como causar causar ou mudar estados emocionais Como tirar as pessoas de estados emocionais emocionais negativos Como causar estados emocionais instantaneamente instantaneamente Mudando a direção direção dos pensamentos pensamentos de outra pessoa pessoa Como concordar com tudo e ainda ainda manter a sua sua opinião Conseguindo acordos e estabelecendo estabelecendo condições para que não possam dizer não

  

Como orientar a direção dos pensamentos das pessoas Fazer com que as pessoas usem a imaginação para obter o que você deseja E muito mais…

Quando comprar este livro terá à sua disposição padrões de linguagem que pessoas bem sucedidas usam para vender o que elas querem, desde simples ideias até iates de luxo. Não falhará mais em suas tentativas de convencer alguém a adotar suas ideias. Será como ter uma especialista em  persuasão sempre à sua disposição. Pense na satisfação e na sensação de poder que sentirá quando finalmente for capaz de convencer qualquer pessoa a fazer o que você precisa e assim alcançar todos os seus objetivos pessoais e  profissionais.

Sumário Capítulo 1

- Introdução

Introdução Valores, ética e manipulação Como usar este livro Pratique os padrões Diferenças entre padrões de escrita e oral 3 chaves para os padrões de linguagem

Capítulo 2 - Padrões de Linguagem

Redefinir: Mudar a direção dos pensamentos de outra pessoa Pontos de acordo (como concordar com tudo e manter sua opinião) Conseguir acordos e apresentar condições que não possam ser recusadas Usar palavras para acrescentar e apagar pensamentos Padrão de consciência- colocando ideias na mente das outras pessoas Fragmentar para cima, para baixo e para os lados Transes de venda- criar um estado mental em que as pessoas estão dispostas a comprar Crie partes em pessoas que sejam úteis (para você) Como mudar a mentalidade de alguém 1. Técnica do pé na porta: 2. Técnica de salvar o ego 3· Perguntas 4. Influência reciproca 5· Reformule o contexto Como fazer com que as suas sugestões sejam aceitas Apele para a identidade da pessoa A ilusão de escolha Como mudar ou enfraquecer as crenças 11 Passos para mudar as crenças Use os 11 passos para mudar suas crenças em outros (secretamente) Guia simplificado para o metamodelo O poder da simplicidade Como provocar ou alterar estados emocionais Seja um provocador de estados emocionais seja por diversão ou por dinheiro Como ajudar as pessoas a saírem de estados emocionais negativos Como provocar estados emocionais na hora certa A promessa de três passos Usar representações internas para orientar a direção dos pensamentos A chave para a persuasão inconsciente... Dizer o que você pensa Alterar o estado emocional, usando perguntas  As perguntas são as respostas Se envolva emocionalmente Faça com que as pessoas usem a imaginação para conseguir o que você quer Capítulo 3 - Reunindo tudo

"Roteiros" para acelerar o seu progresso Exemplo de uma abordagem estratégica Capítulo 4-Avançar de monólogos para conversas persuasivas

Técnica de PNL: Posições perceptivas Linguagem de PNL: Apresentação do padrão

Conversas persuasivas Roteiro de diálogo usando PNL (O início) Capítulo 5 -Abordagem estratégica de persuasão em vendas

Antes de se reunir com o cliente Abertura da reunião Análise de necessidades Vinculando soluções às necessidades Lidar com as objeções Chamar para fechar o negócio Um padrão extra Padrão extra Fim

Despedida

Capítulo 1: Introdução

Introdução Se você está conversando com seu parceiro, com amigos, escrevendo um anúncio publicitário, um e-mail de trabalho ou tentando convencer um grupo de pessoas para que pensem como você, você  precisa conhecer os métodos utilizados pelos mestres da persuasão para mudar a forma de pensar das pessoas de forma a tomarem atitudes. Você vai descobrir o que leva as pessoas a agirem como agem. E vai encontrar uma coleção das técnicas mais persuasivas usadas por políticos, publicitários, escritores de anúncios e todos aqueles que são capazes de influenciar e mudar rapidamente o pensamento de um indivíduo ou grupo de  pessoas. Você pode usar essas técnicas para fazer com que uma pessoa faça coisas que normalmente não faria, mudar suas crenças, seus pensamentos, a convencer a respeito de algo ou fazer com que ela tome algumas atitudes. Seja qual for sua motivação, neste livro você vai encontrar as ferramentas que precisa. À medida que o interesse em PNL cresce, parece que há mais confusão e menos informação de qualidade disponível sobre a persuasão oculta (Covert Persuasion em inglês) e padrões de linguagem persuasivos. A aprendizagem de padrões de linguagem hipnótica é relativamente simples quando uma boa abordagem é utilizada e esse é o objetivo deste livro. Ele foi projetado para ser um guia para que você crie rapidamente fundamentos sólidos. Este livro não se destina para fins acadêmicos, mas para ser posto em prática na vida real. É importante notar que apesar de o livro conter informações que a maioria dos praticantes de PNL não utilizam, não é um curso completo. O objetivo do livro é apresentar rapidamente os padrões,  para que você possa começar a aplicar em qualquer lugar a partir do momento em que os ler. Os padrões que você vai aprender foram retirados de manuais de operações psicológicas, notas de  psicólogos, manuais de vendas e experimentos. Estas ferramentas podem ser tão poderosas e  potentes que podem fazer muito mal ou muito bem para todos ao seu redor, então procure fazer uso delas com ética. Importante: Usarei muito o termo “cliente”, que pode ser utilizado literalmente para se referir a alguém para quem você quer vender algo, mas também representa qualquer pessoa a quem você quer influenciar e persuadir. Valores, ética e manipulação O que fazer com esses padrões está em suas mãos decidir. Você é responsável por seus objetivos e  pelos resultados, portanto, solicito que você use essa informação com boas intenções e contribua  para que as pessoas fiquem em melhores condições do que estavam antes de interagir com você. Se você forçar as pessoas a fazerem coisas que vão contra suas crenças, eventualmente será preso e  perderá a credibilidade, a confiança e suas amizades.

Como usar este livro Aprender os padrões deve ser algo divertido. Vamos ver padrões projetados para eliminar a resistência, para levar as pessoas a focarem no que importa para você, aplicar comandos hipnóticos e, de um modo geral, fazer com que as pessoas avancem na direção que você deseja. Todos os padrões que veremos são muito simples de aprender e podem ser facilmente integrados em uma conversa normal, mas você precisa praticar. Se quiser você pode ir diretamente para o padrão em que você está interessado, mas eu recomendo que você leia todo o livro para alcançar melhores resultados. Leia cada padrão, aprenda, pratique e em seguida, avance para o próximo. Há uma diferença entre pensar e falar. Encontre um padrão que lhe seja útil e o pratique sempre que  puder. Lembre-se que todo o crescimento, desenvolvimento pessoal e aprendizagem é gerado quando você está fora de suas zonas de conforto. Experimente coisas novas. Procure sempre rir de si mesmo e se permita estar equivocado. Confie em mim, você vai se desenvolver mais rapidamente desta forma. Pratique os padrões Pense em frases e as pratique dizendo em voz alta. Para se tornar espontâneo com o uso desses  padrões, você deve investir algum tempo pensando nas frases e então repetindo-as em voz alta. Jogue, se divirta e se lembre que o importante não é aprender padrões complexos, mas ter uma noção básica e colocar em prática para obter resultados. “Conhecimento lhe dá poder somente se você o usar e fizer algo com ele.” Diferenças entre padrões de escrita e oral Existem algumas diferenças entre os padrões de escrita e o padrão oral. Os padrões orais são intangíveis e, portanto, são menos sutis, mas tudo que é ensinado neste livro funciona, tanto na forma escrita como oral. A chave dos padrões de escrita é encontrar uma sequência estratégica de representações internas, ao invés de focar em um padrão específico. Mais tarde vamos ver isso com mais detalhes. 3 chaves para os padrões de linguagem Existem 3 chaves para conseguir que os padrões de linguagem funcionem. 1. A primeira chave é de ter um resultado claro definido em mente. 2. A segunda chave é entender a sequência das representações internas que você quer experimentar em outra pessoa. 3. E a terceira é ter um processo definido para a aplicação deles. Eu sei que pode parecer um pouco confuso, mas tudo ficará mais claro à medida que avançamos.

Capítulo 2: Padrões de Linguagem

Redefinir: Mudar a direção dos pensamentos de outra pessoa  No jargão da PNL, este tipo de técnica é conhecido como redefinir, mas o nome não é importante, e sim o modo como é usada, então vamos falar sobre isso. O padrão é usado para levar a conversa de um tema para outro. Por exemplo:  –  Quando está discutindo com alguém que está preso em um ponto e você quer avançar na conversa. -Quando um consumidor chega com reclamações e você quer falar sobre os benefícios do seu produto. Você consegue captar a gama de aplicações para este padrão? O que importa não é quantas aplicações eu posso pensar, mas as aplicações que você pode encontrar. Durante alguns minutos pense em situações em que gostaria de mudar a direção ou o teor de uma conversa. Agora que você já pensou nisso, vamos falar sobre o padrão: A questão não é (o ponto do cliente), mas (seu ponto) e em seguida, faça uma pergunta para trazer a abordagem ao seu ponto. Por exemplo: “A questão não é preço do petróleo no Oriente Médio, mas sim o bombardeio de civis inocentes em ambos os lados. Quais as medidas que podemos começar a tomar para nos asseguramos de que avançamos em direção à paz?”. A beleza desse padrão é que você não precisa pensar muito e pode conduzir a conversa na direção que quiser, basta fazer perguntas com base na nova temática. Por exemplo, digamos que estou diante de um grupo de gerentes de negócios para quem eu quero falar sobre o nosso programa de treinamento de comunicação, e eles estão reclamando sobre os  problemas em suas empresas. Eu poderia dizer que “o problema não é com os resultados que você está recebendo, mas o fato de as  pessoas não conseguirem resolver os problemas por si mesmos… O que está faltando para que a sua equipe consiga resolver, eles mesmos, os problemas?”. Isto poderia fazer com que eles falem sobre os problemas de suas equipes, e depois de um momento, eu poderia interromper com “o fato de seus supervisores não tomarem a iniciativa é um problema, mas o mais importante aqui é saber como os seus supervisores comunicam a visão para suas equipes? Quão bom os seus supervisores são nisso?”. Talvez neste momento eles discutam sobre as habilidades de comunicação de seus supervisores, ao que eu poderia dizer “a questão não é que seus supervisores não tenham habilidade para se comunicar, mas como vocês estão dando suporte a eles… Qual treinamento de comunicação eles fizeram?”.

Agora eles poderiam estar falando sobre os programas de treinamento que fizeram, mas também sobre como os treinamentos costumam ser caros. Eu poderia dizer “a questão principal não é o custo do treinamento, mas quanto este baixo desempenho está custando a vocês. Se eu puder mostrar a vocês como obter retorno sobre o investimento do seu orçamento em treinamento, estariam interessados em falar sobre como fazer isso?”.  Neste livro, você aprenderá uma variedade de métodos que podem ser combinados para chegar a este  ponto da conversa, mas o importante é que você pode fazer isso usando apenas esse padrão. É simples assim. Na verdade, se você for corajoso o suficiente, você poderia ter feito isso em um único passo. Exemplo, em um passo:

Vamos voltar ao início da conversa onde eles se queixam dos problemas em suas empresas. Eu poderia intervir com “O tema não são os problemas em seus negócios, mas qual o suporte que você está dando ao seu  pessoal para que possam melhorar. Quanto poderia melhorar seus resultados, se vocês investissem em treinamento para melhorar as habilidades de comunicação de suas equipes?”. Eu prefiro avançar em pequenos passos, mas o importante aqui é destacar que você pode mudar a direção de uma conversa com um único passo. Pontos de acordo (como concordar com tudo e manter sua opinião) Este padrão é incrível. O padrão estabelece um ponto de acordos, mesmo quando não existe acordo. Você pode usar este padrão para baixar as defesas de alguém e fazer com que realmente ouça você. Em pouco tempo você pode romper as defesas conscientes e inconscientes, de uma pessoa e alcançar  para o que realmente importa, ou seja, que ele o ouça. Se usar esse padrão junto com o padrão de redefinir pode penetrar todos os pensamentos conscientes e redefinir completamente a direção da conversa. Conseguir acordos e apresentar condições que não possam ser recusadas Este padrão permite que você implemente condições independentes do que já tenha sido dito. Mesmo se o ponto de vista que você está apresentando seja totalmente oposto. Com este padrão você pode “passar” pelo comentário original e trazer o diálogo para um acordo. O sucesso desse padrão depende da sintonia que você alcança com a outra pessoa e a maneira como o utiliza. A maioria das pessoas fala rápido demais para ter um verdadeiro poder de influenciar. Para realmente chegar a outra pessoa é preciso falar devagar e em tons baixos. Eu não quero dizer que deva falar uma  palavra e fazer uma pausa antes de falar a próxima. Você só precisa falar mais devagar. Este padrão é baseado em que, todas as pessoas gostam que concordem com elas. Geralmente a  palavra “concordo” é suficiente. Pense nisso por um momento. Se eu disser que eu não concordo, você vai se sentir pior do que se eu disser que concordo com você.

 Na verdade, se eu concordo ou discordo é irrelevante neste momento. Este é o padrão: “Concordo e gostaria de acrescentar …”. Por exemplo: “Concordo com que o curso é caro e é por esta razão que está repleto de informações úteis”. Como alternativa, o seguinte super- padrão combina o ponto de acordo e a redefinição: “Eu concordo que o curso é caro e gostaria de acrescentar que a questão não é o custo, mas quanto dinheiro você vai ganhar ao usar as informações do curso”. Digamos que uma pessoa diss e algo que realmente me desagradou. Eu poderia dizer: “Eu concordo com o que disse e gostaria de acrescentar que somente um completo idiota poderia ter dito isso”. Mas você pode se perguntar por que não dizer diretamente que ele é idiota. Bem, eu realmente quero que esta pessoa pense que é um idiota. Se apenas o ataco dizendo que eu não concordo, ele não me ouviria e se prepararia para se defender. Se começo com um ponto de acordo as suas defesas baixam e ele se prepara para escutar quanta razão tem. Normalmente eu não me relaciono com posicionamentos muito extremos e tento não criar atritos. Em condições normais, a frase poderia ser: “Eu concordo com o que disse e gostaria de acrescentar que há uma maneira diferente de ver esta situação e que poderia dar melhores resultados”. Agora deixe-me falar sobre um elemento que faz com que esse padrão funcione corretamente. Este elemento é a palavra “e”. Compare essas duas frases: 1. “Concordo, mas gostaria de acrescentar que…” 2. “Eu concordo e gostaria de acrescentar que…” Você consegue ver que a primeira frase não funciona e a segunda tem um impacto maior? A palavra “e” soma ao que foi dito, enquanto a palavra “mas” apagar o que foi dito antes. Variação Uma das maneiras de usar esse padrão é criar uma pequena confusão que gere mais curiosidade e o mantenha ouvindo você com mais atenção. Considere o que acontece se você diz uma frase e eu respondo com “quase concordo com você e.…” Ficará com a sensação de que eu concordo com você e também ficará na expectativa do que falarei  para saber com qual ponto estou em desacordo. Segunda parte da frase Minhas duas versões do que eu coloquei depois “e” são: “… e acrescentaria que…” “… e isso significa que…” Exemplos: Vendas “Eu concordo que é caro, e isso significa que você terá um produto de melhor qualidade”. Treinamento “Eu concordo que ainda não entendeu e isso significa que ainda está processando as informações”. Lider ança “Eu concordo que está sobrecarregado de trabalho e, portanto, sugiro que você reserve algum tempo para que possamos rever suas prioridades e assim possa fazer essa tarefa importante estou lhe solicitando”. Ser liderado “Eu concordo que esta nova tarefa é importante e isso significa que deveria ser atribuída a alguém que tenha tempo que sua realização requer”.

Usar palavras para acrescentar e apagar pensamentos Vamos ver como as palavras “mas” e “e” funcionam. Estas palavras permitem apagar e adicion ar  pensamentos. Existem muitas maneiras de usar estas palavras, mas vamos nos concentrar em como dar feedback ou fazer uma crítica ás pessoas, pois assim é fácil ver a sua aplicação. Vamos começar com a palavra “mas”. Certamente já esteve em uma conversa que começou com “Eu acho que você é uma ótima pessoa, mas…”, ou talvez “você fez um ótimo trabalho, mas…” e o resto da conversa é sobre como o trabalho foi mal feito. A palavra “mas” age como um botão para apagar o que foi dito antes e prepara as pessoas para as más notícias que supõe que virá. Então uma boa maneira de usar esta palavra é colocar as más notícias no início e dar continuidade com as boas notícias. Por exemplo, “o relatório tem vários erros, mas em geral faz sentido e está bom”. A palavra “e”  permite acrescentar uma nova forma de pensar e o conectar com a primeira. Por exemplo, “o relatório tem vários erros, mas em geral faz sentido, e como você se sentirá quando fizer todas as correções e ficar perfeito?”. Já consegue captar a ideia de como trabalhar com as  palavras “mas” e “e”. Você percebe como no último exemplo, colocamos uma questão que direciona os pensamentos da pessoa para outro foco? Padrão de consciência  –  colocando ideias na mente das outras pessoas Este padrão é muito poderoso e bem poucos praticantes de PNL o conhecem. Usado para semear na mente das pessoas ideias que talvez não teriam tido. -Já reparou que…? -Você já se deu conta de que…? -Você pode entender…? Exemplos: -“Já reparou que as pessoas que usam padrões de PNL são bem-sucedidas em todas as áreas da sua vida?”. -“Está consciente de que as propriedades neste bairro sofrerão aumento dos preços nos próximos anos?”. -“Já percebeu que é mais difícil conseguir um emprego sem um currículo escrito profissionalmente?”.

O interessante nesse padrão é que, não importa a resposta do seu receptor, podem dizer “sim” ou “não”, mas a ideia já foi plantada em suas mentes. O padrão de consciência pode ser usado como evidência em seus exemplares de vendas. Como você provavelmente já sabe, venderá muito mais se puder provar o seu caso. Normalmente isso é feito com depoimentos, fotos, estatísticas, etc., E pode usar o padrão de consciência para acrescentar evidências de sua oferta. Imagine que você está vendendo um livro para melhorar o desempenho.

Digamos que parte de seu produto é focado em um método de respiração para aumentar o desempenho. Você pode dizer algo assim: “Já reparou como o Tiger Woods inspira profundamente três vezes antes de defer ir um golpe? Há uma razão para isso…”. Fragmentar para cima, para baixo e para os lados Há algo chamado “Metaprogramas” em PNL. Eles são filtros que determinam como você percebe o mundo a sua volta. Eles têm uma grande influência em como você se comunica e se comporta com outras pessoas. Existem muitos tipos de metaprogramas (cerca de 60), mas alguns são mais poderosos do que outros. Veremos agora o que é chamado “específico / geral” (e abstrato). Para persuadir a maioria das pessoas é preciso dar detalhes específicos e também lhes mostrar um panorama completo do que se está vendendo (um produto, um serviço ou uma ideia). Uma maneira de fazer isso é usar uma técnica chamada fragmentação. Com a fragmentação, temos três perguntas que permitem ver os detalhes e a imagem geral. -Fragmentar para cima (geral): Exemplos disso? Como isso muda a vida das pessoas? -Fragmentar para baixo (detalhes): Exemplos disso? Qual é o processo? Como se originou? -Fragmentar para o lado (abstrato): Como é isto? Quais as metáforas que lhe ocorrem? Assim que tivermos esta informação podemos usar em fórmulas como AIDA (atenção, interesse, desejo e ação), PIPP (promessa, imagem, prova e pressão) ou AEAECA (atração, espera, atenção, emoção, mudança de crença e ação). Se eu estou fazendo uma apresentação, coloco cada fragmento em um slide diferente. Portanto, se você tem um produto, serviço ou ideia, aplicar três fragmentos  para fazer sua oferta mais específico, mais geral e mais abstrato. Transes de venda  –  criar um estado mental em que as pessoas estão dispostas a comprar Você consegue lembrar de alguma ocasião em que estava ansiosa para comprar qualquer produto ou serviço, sem se preocupar se tinha um preço alto? Talvez um carro, um computador ou uma casa. Algo que sentia que deveria ter. Como podemos criar esses estados que deixam os clientes obcecados  por ter o seu produto? Então vamos ver 3 maneiras: 1. Revelar benefícios ocultos: Muitas vezes as pessoas compram os produtos por motivos distintos dos que foram promovidos. O que faz com que os consumidores realmente desejem o seu produto? Que benefício desejam secretamente obter do seu produto? Que benefício poderiam querer e ninguém mais sabe? Alguns “desejos ocultos” são: impressionar os outros, atração sexual, pertencerem a um determinado grupo, ganhar dinheiro rápido, símbolos de status, etc. Alguma linguagem de padrões que apelam para os desejos ocultos: “(o produto) está na (casa/garagem/escritório) de cada pessoa (inteligente/bem-sucedida/educada)”. “Você quer se destacar em seu (trabalho/bairro)?” 2. Aumente seu valor: Você deve saber que os itens raros ou estranhos são mais valiosos. Mesmo que seja apenas valor percebido. Alguns padrões que podem ser usados para criar mais valor: “Por tempo

limitado…” “Somente X cópias disponíveis…” “Apenas nos próximos X dias (o produto) inclui os seguintes bônus…”. 3. Fazer parecer que é difícil de obter: A razão para isto é que nós queremos com maior intensidade que é mais difícil de conseguir mas tenha cuidado, a maioria das pessoas desistem facilmente. Outra maneira de fazer “parecer” difícil é dizer ao cliente que talvez não seja bom o suficiente para comprar seu produto. Um exemplo é o início da famosa carta de vendas do cartão de crédito American Express que tem a seguinte frase: “Sinceramente, o cartão American Express não é para todos. Não aprovamos todas as solicitações de cartão” 4. Uso da linguagem visual: Sendo mais específico, me refiro a contar a história de uma terceira  pessoa que alcançou seus objetivos ou resolveu seu problema ao utilizar o seu produto. Crie um cenário emocional em que alguém como o seu cliente tem o mesmo problema (e que você pode resolver). Use todos os sistemas representacionais (visuais, auditivos e cinestésicas) em seu diálogo. Crie partes em pessoas que sejam úteis (para você) A técnica a seguir pode ser usada para alterar a personalidade de outra pessoa. Se chama de “implantar uma parte”. É muito simples e eficaz. Se você já estudou PNL você já conhece o conceito de “partes internas”. Estas partes podem alterar seu estado de espírito, crenças e comportamento. As partes podem ser boas ou ruins (dependendo do significado que você der a elas). Assim, como ponto positivo, pode ter um lado criativo, uma parte da autoconfiança, etc. E como lado negativo, você pode ter uma parte tímida, ou uma parte irada. Que tipo de partes você gostaria de dar a outra pessoa? Confiança? Um comprador inteligente? Fascinação? Conexão? Existem centenas de peças que podem ser usadas. Existem 4 etapas: 1. Dê nome à parte. 2. A explique ou amplie. 3. Diga como você vê que se manifesta em seu comportamento. 4. Mencione que gosta de pessoas assim (um elogio). As etapas 3 e 4 são opcionais, mas definitivamente servem como um reforço. Então vamos ver alguns exemplos. “Há uma parte de você que é fascinada por livros como este. Está ciente de que as informações podem lhe ajudar muito em todas as áreas de sua vida. É por isso que você comprou este livro e eu penso que é fantástico”. “Em sua mente há uma parte de você que é empreendedora. É uma  parte que pode ter ideias criativas incríveis, potenciais geradoras de dinheiro e as colocar em prática. É por isso que você está lendo isso agora e o felicito”. Outra palavra que pode ser usada em vez de “parte” é “lado”. Como mudar a mentalidade de alguém Quantas vezes se viu diante de alguém que se recusa a ver os fatos? É frustrante, mas isso já não  precisa ser um problema. Com a PNL algumas técnicas e padrões de linguagem podem abrir a mentalidade de outra pessoa e a fazer mais flexível. 1. Técnica do pé na porta: Às vezes tudo o que se precisa para que alguém mude a sua forma de pensar é apenas um pouco de incentivo. Esse incentivo pode ser conseguido usando um “operador modal de possibilidade” e uma tarefa quase impossível. Continue lendo para

compreender melhor. O padrão é como segue: “Se eu fizer (tarefa impossível), estaria m dispostos a me ouvir?” Esta tarefa impossível pode ser qualquer coisa desde adivinhar um número de 1 a 100, ou adivinhar a próxima coisa que o apresentador dirá no noticiário. Não importa. O mais importante nesta técnica é conseguir um acordo. Esse acordo mostra que há uma parte na outra pessoa que está disposta a mudar. 2. Técnica de salvar o ego Muitas pessoas não querem mudar de ideia porque eles sentem que a sua palavra deixaria de ter valor. Uma maneira de combater isso é adicionar novas informações. Para isso, apresente a sua ideia novamente a esta pessoa e em seguida, adicione novas informações. “Estudos/pesquisas/experiências mostram que…”. Por exemplo, “a razão pela qual você pensa isso é.…, mas (adicione novas informações aqui)”. 3. Perguntas Quando alguém expressa uma razão ou uma crença do porquê não pode (ou não quer) mudar seu  pensamento, podemos usar a técnica dos cinco ponteiros para desarmar essa crença (consulte o capítulo “Guia simplificado para o metamodelo” para uma explicação detalhada da técnica). “Não quero trabalhar com John nestes projetos, porque ele os arruinará”. Isto pode ser verdade, mas também  poderia haver algum tipo de tendência negativa ou intenções ocultas. Então poderíamos perguntar “Quais projetos especificamente?”, “Como especificamente ele os arruinará?” “Ele irá arruinar todos eles?”. 4. Influência recíproca Isto é muito simples e é mais um dado que uma técnica. Se estamos abertos para as ideias ou formas de pensar de alguém, geralmente essa pessoa estará aberta para receber nossas ideias. Portanto, sempre no início de uma conversa procure os pontos do acordo antes de lançar suas ideias ou solicitações. 5. Reformule o contexto Este é o meu favorito. Muita coisa tem sido escrita sobre a reformulação de contexto, então vamos nos estender muito. A premissa básica com a reformulação contextual de uma crença debilitante ou uma tendência negativa é expandir o quadro de referência da pessoa perguntando “O que não está aparente para esta pessoa?”, “O que ela não consegue ver ou notar?”. Depois que você tiver uma resposta plausível, pode presentear para a pessoa e tentar mudar o seu contexto. Você pode encontrar mais informações no meu livro “Reprograme o seu cérebro com PNL”. Como fazer com que as suas sugestões sejam aceitas Esta técnica é chamada de “Uso de sugestões compostas”. As pesquisas mostram que uma vez que uma sugestão seja aceita pela mente subconsciente de uma pessoa, se torna mais fácil que as sugestões adicionais também o sejam. É uma ótima maneira de se certificar de que alguém concorda com você. O processo é muito simples. Você simplesmente diz algo com alta probabilidade de que a outra pessoa esteja de acordo. E em seguida, diga a sugestão que deseja implementar. A estrutura é a seguinte: + Exemplos: -Ele está descansando confortavelmente na poltrona. Vai ser bom entrar em transe profundo. -Saber como se comunicar claramente é vital para os negócios. Sua empresa precisa fazer este seminário para enfrentar estes tempos desafiadores.

-É essencial ter a capacidade de influenciar e persuadir as pessoas. E é importante ter um método específico para fazer isso. Os padrões de linguagem contém esse método. Sugestões compostas são comumente usadas por terapeutas que usam a hipnose. Apele para a identidade da pessoa Uma das formas mais poderosas de persuadir uma pessoa é apelar  para a identidade de quem é, quem quer ser, ou quem não quer ser. Há muitas maneiras de fazê-lo. Vamos ver um padrão de linguagem que é muito simples e muito eficaz. O padrão é como segue: Posso dizer que você é uma pessoa (identidade), porque (razão do porquê). Exemplos: -“Posso dizer que você é uma pessoa muito inteligente, porque está lendo este livro”. -“Posso dizer que você é uma pessoa que não quer ser como a maioria, porque está lendo este livro”. Se você leu anteriormente sobre persuasão, então está ciente de que ao acrescentar a palavra “porque” cria uma forma poderosa de persuadir, mesmo que a razão não faça muito sentido. Isso ocorre porque estamos “programados” para responder à palavra “porquê”. Esse padrão de linguagem deveria ser usado no início de sua apresentação. Existem muitas variações desse padrão, tais como: Eu sei que (identidade) porque (razão por que). -“Eu sei que você é uma pessoa de padrões elevados,  porque do contrário eu não estaria aqui”. Este padrão é incrível, já que apela não só para a identidade da pessoa, mas também o inclui em um grupo desejado, outra grande ferramenta de persuasão. A ilusão de escolha Em Hipnose Ericksoniana, temos um padrão de linguagem chamada “duplo vínculo” que são frases que oferecem duas ou mais opções que são na verdade são a mesma escolha. Por exemplo: “Você pode entrar em transe agora, ou nos próximos minutos”. Há também a técnica chamada, “mas você é livre para escolher”. Mais de 40 estudos psicológicos sugerem que essa técnica  pode dobrar as chances de alguém responder de forma positiva às suas solicitações. É muito simples. Tudo o que você precisa fazer é expressão o seu pedido e em seguida, fazer a outra pessoa saber que tem a escolha de aceitar ou não. Estes são os quadros que poderiam ser usados:  –  (Requisito). Mas você é livre para recusar .  –  (Requisito). Obviamente você não precisa fazer isso.  –  (Requisito). Mas não se sinta obrigado. Como pode ver, a linguagem que você usa não é importante. Nós só queremos reafirmar que a outra  pessoa tem uma escolha. Esta técnica funciona melhor face a face, mas pode também ser eficaz por e-mail ou por telefone. Como mudar ou enfraquecer as crenças

11 Passos para mudar as crenças Veremos a seguir uma técnica de 11 passos para mudar facilmente as crenças negativas por crenças empoderadoras. Você pode aplicar para mudar suas próprias crenças, mas também pode adaptar para mudar as crenças de outras pessoas. Agora vamos ver como aplicar em você, e no próximo capítulo veremos como pode ser usado em outras pessoas.

Passo 1: Pense em uma crença limitante que está causando dor ou o fazendo ficar paralisado diante

de fazer algo que sabe que deve fazer. Pense em um de seus objetivos e o que o está impedindo (mentalmente) de ter sucesso. Por exemplo, talvez eu sei que eu devia fazer mais exercícios, mas eu tenho a crença de que o exercício poderia me machucar, por isso eu não me exercito. Passo 2: Pense em uma crença empoderadora que seja oposta a crença negativa anterior. Se você já

não quer acreditar na crença negativa, no que você gostaria de acreditar? Continuando com o exemplo, com exercício regular, ficarei mais forte, mais atraente e menos suscetível a lesões. Esta é uma crença mais positiva e saudável. Passo 3: Pense em algo que nunca faria. Como empurrar uma pessoa contra um ônibus, esmagar seu

dedo numa porta, colocar um cigarro em seu ouvido, etc. Algo que gere uma forte reação de NÃO,  NUNCA! Sinta realmente a reação em seu corpo. Passo 4: Rompa esse estado. Se levante e caminhe por uns segundos. Limpe a sua mente. Passo 5: Pense em alguma coisa que você quer muito, tal como ser milionário, ir a um buffet de sua

comida favorita, fazer amor, etc. Neste momento você quer gerar uma forte reação de SIM, DEFINITIVAMENTE! Siga pensando até que você realmente sinta isso em seu corpo. Passo 6: Rompa este estado novamente. Passo 7: Se concentre em suas crenças negativas, e à medida que as sinta, traga à tona as emoções do

enfático NÃO! Sinta realmente este NÃO! E o associe com a sua crença negativa. Execute este passo várias vezes. Passo 8: Rompa este estado novamente. Passo 9: Agora pense em sua crença positiva e empoderadora. Conforme pensa em quão grandioso

será a ter essa crença em sua vida, traga as emoções desse enfático SIM! DEFINITIVAMENTE! Em outras palavras, a medida que considera a crença positiva, diga (mentalmente ou em alta voz) SIM! DEFINITIVAMENTE! Passo 10 : Rompa este estado novamente. Passo 11 : Faça uma experiência e se projete no futuro. Pense em ambas as crenças e veja se você já

se sente diferente em relação a elas. A crença negativa foi enfraquecida? A positiva ficou mais forte? Pense no amanhã, na próxima semana, no próximo mês, no próximo ano. Como será sua vida com essa nova crença capacitar?

Use os 11 passos para mudar suas crenças em outros (secretamente) Michael Hall (um dos pioneiros na massificação da PNL) usa essa técnica em seus clientes. Suponha que você está trabalhando com um homem solteiro que tem medo de se aproximar das mulheres que lhe são atraentes. Primeiro poderia gerar uma enfática resposta “Não!”, dizendo frases como: “Aposto que você gosta de ser sozinho”, “Acho que gosta de não ter quem abraçar e com quem compartilhar a vida…”, “Você  provavelmente não está pronto para um relacionamento…”, “Eu aposto que você gostaria de estar sozinho em seu leito de morte, sem ninguém por perto, não é?”.

Em seguida, pode gerar uma enfática resposta “SIM!”, dizendo frases como: “Você realmente gostaria de ter uma mulher especial em sua vida?”, “Você pode imaginar como seria bom encontrar a sua alma gêmea?”, “É fácil imaginar como a vida seria maravilhosa, se você encontrasse uma grande companheira, você não acha?”. Depois de fazer estas perguntas (e poderiam ser suficientes para mudar o seu comportamento ou crenças), poderia trabalhar para o ajudar a alcançar seu objetivo. A partir deste ponto você poderia continuar usando as técnicas de reformulação, ou terapia da linha do tempo.

Guia simplificado para o metamodelo Para qualquer pessoa interessada em PNL, o metamodelo é uma ferramenta incrível e é a primeira coisa a ser ensinada em cursos de certificação. É ideal para tornar o pensamento claro, reformular as crenças limitantes e mostrar como processos de  pensamento de uma pessoa pensar podem afetar o seu comportamento. O problema é que o metamodelo pode ser um pouco complicado de dominar. Alguns anos atrás, Genie LaBorde (baseado na obra de John Grinder), realizou uma versão simplificada do metamodelo que ele chamou de “Os Cinco ponteiros”. Este processo representa as eliminações, generalizações e distorções comuns na comunicação que criar confusão, ambiguidade, interpretações (ao invés de observações) e suposições. 1. Substantivos (Perguntas: O que especificamente? Ou quem especificamente?). 2. Verbos (Pergunta: Como especificamente?). 3. Regras (Pergunta: O que aconteceria se…?). 4. Generalizações (Perguntas: Tudo…? Sempre…? Nunca…?). 5. Comparações (Perguntas: Melhor do que o quê? Comparado ao quê?) Gênie os chamou de os cinco ponteiros porque é associado com cada um dos dedos da mão, uma forma de aprender mais rápido e tem uma reação mais rápida, quando você se depara com uma violação ao Metamodelo. O dedo indicador representa os substantivos, o dedo médio os verbos, o dedo anular as regras, o dedo mínimo as generalizações e o dedo polegar representa as comparações. Vejamos a seguinte frase. Ela está cheia de violações do metamodelo: “Eles dizem que as mudanças climáticas irão destruir o  planeta em poucos anos”. Como podemos derrubar essa crença? Por onde começar? Genie LaBorde recomenda que primeiro comecemos pelos substantivos não especificados. Então, no exemplo  poderíamos perguntar “quem especificamente disse que as mudanças climáticas irão destruir o mundo?”. Outro substantivo é “mudanças climáticas”. “Especificamente quais mudanças climáticas irão destruir o mundo?”. Poderíamos avançar para o verbo, não especificado,  destruir. Como especificamente o mundo será destruído? E dessa forma avançamos no sentido de enfraquecer a crença. Como aplicaria os cinco ponteiros se alguém dissesse as seguintes frases: -“Todo mundo me odeia”. -“Isso nunca vai funcionar”.

-“Ele é uma pessoa mais indicada para esse trabalho”. -“Devemos deixar que ele faça”. O Metamodelo e os cinco ponteiros podem levar sua habilidade de comunicação para um novo nível. O problema é que a maioria das pessoas não os estuda e não os aplica. O metamodelo é vital para a comunicação e para entender as pessoas com quem você se relaciona em qualquer área de sua vida,  por isso eu recomendo que você o aprenda e o use.

O poder da simplicidade Eu encontrei uma técnica usada por escritores de anúncios publicitários que leva os leitores a pensar na direção que eles querem. Este é o padrão: É/são (o caso) (X)? (X) é algo positivo ou negativo que você quer que os leitores ou ouvintes pensem ou acreditem. Pode ser uma pergunta simples que tem uma resposta “sim” ou “não”, mas podemos criar perguntas retóricas que expressem a sua opinião de forma encoberta. Por exemplo: “Os cães Doberman são os melhores guardiões para sua casa?” “Os cães Doberman são os cães mais perigosos do mundo?” Ao utilizar as perguntas desta forma, mesmo que deem uma resposta simples como “sim” ou “não”, você tem a capacidade de inserir um pressuposto, especialmente se a pessoa que recebe a mensagem não tem conhecimento sobre o assunto. Ainda que a pessoa saiba sobre o assunto, vai ficar curiosa para ler ou ouvir mais sobre o seu ponto de vista. Este padrão é ideal para ser usado em títulos de anúncios, que geram curiosidade em um leitor, e isso é um estado desejável, especialmente se você está tentando vender algo.

Como provocar ou alterar estados emocionais

Seja um provocador de estados emocionais seja por diversão ou por dinheiro Richard Bandler disse: “Não importa o que você acredita que vende, você vende sentimentos e emoções”. As pessoas compram sentimentos e emoções e depois justificam as suas decisões com lógica e razão. Temos que encontrar os sentimentos que as pessoas querem e precisamos entregá-los sob a forma de benefícios. Aqui tem uma relação com os benefícios que as pessoas procuram (sem uma ordem específica): -Ganhar dinheiro -Poupar dinheiro -Economizar tempo -Sentir-se seguro -Melhorar a sua saúde -Ser mais atraente -Ter aparência mais jovem -Fazer sexo melhor -Impressionar os outros -Pertencer a um grupo especial -Ajudar a família

Quando você vende algo, se pergunte por que alguém compraria isso? Por exemplo, suponhamos que você vende óculos de sol. Você poderia perguntar, por que alguém iria comprar estes óculos de sol? A resposta depende se os óculos de sol são acessórios de moda ou se servem para proteger os olhos. Se eles são acessórios de moda, o benefício pode ser impressionar os outros ou ficar mais atraente. Em seguida, apresente este benefício usando uma história como um estudo de caso, uma metáfora, ou discorra sobre o que o cliente perderá se não comprar o seu produto. Da próxima vez que tentar convencer alguém ou vender um produto, experimente esta fórmula.

Como ajudar as pessoas a saírem de estados emocionais negativos Já tentou gerar uma mudança em alguém que está em um estado de espírito negativo? Podemos usar um padrão que nos ajudará a alterar o estado de uma pessoa para um mais positivo, que lhe abrirá novas possibilidades. É um padrão fácil de usar e só precisa de duas palavras.  No entanto, apesar de sua simplicidade estas palavras têm grande poder quando usadas da seguinte maneira: (X) ainda. E isso é porque (Y) Este padrão (X) é o problema que a pessoa está enfrentando. É melhor que a outra pessoa diga a você como se sente no momento, do que você tentar ler a sua mente. E (Y) é a razão porque seu estado mudará. Quando usamos o “ainda”, no padrão, estamos supondo que seu estado mudará. E se você já leu sobre a arte da persuasão, sabe que a palavra “porque” é muito poderosa, uma v ez que a maioria das pessoas é persuadida a fazer alguma coisa quando tem uma razão. Exemplos: -“Ainda não entende isso. E isso é porque você precisa de mais exemplos”. -“Ainda não tem confiança. E isso é porque você precisa praticar mais”. Você pode adicionar pequenas variações: -“Sim, parece caro. E isso é porque não ainda não lhe mostrei quanto valor irá agregar ao seu negócio”. -“Eu sei que é difícil de acreditar. E isso é porque ainda não te mostrei como funciona”. Com esse padrão, estamos reconhecendo a experiência negativa da pessoa e dando-lhe uma razão  para a mudança. Você também pode usar esse padrão no contexto das vendas. Se você está vendendo alguma coisa, você provavelmente sabe que é difícil de tirar as pessoas da sua letargia para que comprem. Existe uma maneira de fazer isso e é injetando um pouco de autoconsciência. Tudo que você precisa é a palavra “Ainda”. “Ainda” significa que seu cliente está preso ao passado. Pode significar que tudo o que você faz está errado. Isso talvez implique que seus problemas não foram resolvidos. E também sugere que o produto que você está oferecendo está atualizado. Exemplos: “Se você ainda está usando o Microsoft Word para criar documentos…” (Talvez você está vendendo outros tipos de software de processador de texto). “Ainda está procurando a sua alma gêmea?” (Para um serviço de encontros ou um livro sobre relacionamentos). “Ainda está usando o Yahoo! para pesquisar na Internet?” (Aqui você daria razões pelas quais eles não deveriam usar o Yahoo!). Quando utilizo este padrão… o faço com uma pergunta. As pessoas estão programadas para responder  perguntas. Concorda comigo?

Como provocar estados emocionais na hora certa Este é um padrão interessante que combina uma projeção do futuro com um comando incorporado e um pressuposto. É uma combinação muito poderosa. Esse é o quadro: Você vai ao (estado emocional  positivo ou negativo) quando eu disser/mostrar … O comando incorporado vem depois de “você vai…” e é uma parte do estado emocional. Exemplos: “Você vai ficar encantado quando eu lhe mostrar o preço deste dispositivo”. “Ficará em êxtase quando você descobrir onde eu a levarei esta noite”. “Ficará maluco quando te contar o que fiz…”. As pessoas se sentem mais motivadas a agir quando as suas emoções são engatilhadas, especialmente se são fortes emoções. Este padrão é ideal para desencadear dessas emoções.

A promessa de três passos Ao escrever uma carta de vendas geralmente crio uma “promessa de três passos”. Então eu vou mostrar a que você como normalmente eu faço em apenas um parágrafo: + + Aqui está um exemplo: “Quando você comprar este livro, você terá a sua disposição os padrões da linguagem que as pessoas de sucesso usam para vender o que quiserem, desde assinaturas até iates de luxo. Você nunca vai desperdiçar oportunidades para vender o seu produto e serviços. Será como ter um especialista de persuasão à sua disposição”. E ao final, claro, você deve indicar qual é a sua oferta e o que ele deve fazer (uma chamada para ação). Utilizando esta técnica você vai deixar o seu produto na mente de seus clientes potenciais, especialmente se não o comprarem imediatamente.

Usar representações internas para orientar a direção dos pensamentos As representações internas podem forçar a direção dos pensamentos de uma pessoa para o que você está dizendo. Normalmente, isso acontece o tempo todo. Mas agora você saberá o que acontece quando você falar com outra pessoa. Provavelmente nunca terá uma conversa normal outra vez. O verdadeiro poder vem quando você combina essa ideia com perguntas de pressuposição. Você pode imaginar como será quando definir a direção e o fluxo dos pensamentos de uma pessoa com apenas uma pergunta?

A chave para a persuasão inconsciente… Dizer o que você pensa  Neste capítulo, veremos como guiar a imaginação.

Primeiro vamos ver algumas ideias do que acontece na cabeça de alguém, quando falamos com ele. Sua mente inconsciente tem que fazer uma representação interna de qualquer coisa que falamos para que a frase faça sentido. Por exemplo, se eu digo “Pedro viu a montanha atrás da casa”, você terá que fazer uma representação interna de Pedro, uma montanha e uma casa. Se eu disse “Pedro não vê a montanha atrás da casa  porque Pedro a montanha e a casa não existem”, continuará a fazer a mesma representação interna. Portanto, para fazer sentido o que digo, você sempre tem que fazer uma representação interna do mesmo. Vejamos uma representação um pouco mais complexa. Observe a diferença entre as duas frases: 1. “É difícil entender este conceito”. 2. “A compreensão deste conceito não é fácil”. Ambos têm o mesmo significado lógico, mas tem um conjunto diferente de representações. Esta é a ideia fundamental de muitos dos padrões que vimos até agora. Agora podemos levar este conceito e fazer uso dele para guiar a imaginação. Quando usar palavras como “imagine”, “considere”, “suponha” ou frases tais como “e se…”, “que tal se…”, “pense sobre…”, eu estou dando um comando ou instrução direta para usar a sua imaginação na direção que eu quero que pense. Percebe quão furtiva esta técnica é? Só dizendo as coisas certas posso direcionar suas representações internas sem que você tenha qualquer escolha, a menos que se negue a me ouvir. Considere o poder de influência que terá sobre as pessoas e como pode conseguir que façam mais por você. Ou você poderia pensar sobre como atrair novos clientes ou parceiros.  No próximo capítulo tornaremos este conceito muito mais poderoso. Nós vamos falar como usar  perguntas para guiar a imaginação e como podemos usar perguntas para criar uma forte resposta emocional.

Alterar o estado emocional, usando perguntas Espero que você esteja pronto para o capítulo mais importante de todos. Imagine como seria se  pudesse mudar a direção do pensamento de qualquer pessoa simplesmente fazendo uma pergunta? Princípio chave para a persuasão hipnótica: Pedir às pessoas para pensar sobre o que você quer que  pensem. Por que você quer alterar o estado emocional de uma pessoa? Todas as crenças, pensamentos e decisões são emocionais. Às vezes este conteúdo emocional é grande, às vezes pequeno e não necessariamente temos conhecimento de sua existência. Se você pode mudar a emoção, você pode então mudar a crença, o pensamento, ou ideia. Até mesmo as decisões que tomou enquanto estava feliz, triste ou com raiva, seriam diferentes se você estivesse em outro estado de ânimo. Já reparou como suas crenças sobre si mesmo e sobre o mundo que o rodeia mudam, dependendo do estado de ânimo em que você se encontra?

Mudança de índice referencial

Um lembrete rápido da última chave que aprendemos. Quando fala com outras pessoas, elas formam uma representação interna do que você está dizendo. As pessoas têm que fazer isso para que a frase faça sentido. Se eu digo “Não se anime com essa ideia”, você precisa fazer uma representação interna de emoção para que a frase faça sentido. Agora, tudo o que tenho que fazer é com que experimente um pouco mais. Você poderia fazer uma frase como esta: “Quando realmente tenho uma boa ideia começo a sentir uma sensação de formigamento em meu estômago que começa a subir para o meu peito, à medida que começo a pensar em tudo o que eu posso fazer com o novo conceito. É desta forma que você sabe que tem uma boa ideia…” Você vai notar que nesta frase eu dei instruções sobre como você se sente quando você tem uma boa ideia. Vai notar também que eu comecei a falar sobre mim, e eu acabei falando sobre você. No jargão da PNL, isto é conhecido como mudança de índice referencial. As pessoas raramente percebem isso e muitas usam naturalmente em suas conversas. É uma forma brilhante de começar uma conversa falando sobre você e acabar falando sobre a pessoa sem que ninguém perceba.

As perguntas são as respostas Se eu digo “Agora tenho uma curiosidade”, terá que formar uma representação interna, no entanto não tem com o que ligá-la. Se eu digo “quando estou curioso, tenho um zumbido na cabeça e me sinto atraído pelo assunto como se fosse um ímã que não posso resistir até aprender mais” Estou dando instruções sobre como é sentir curiosidade.  Neste caso, estamos mais perto do que no primeiro exemplo, mas para você ainda está desconexo. Se você perguntar a ele “como sabe quando está muito curioso?” Você tem que ir ao seu interior para encontrar as respostas e descobrir o seu processo de curiosidade. Se eu digo “quando estou curioso, tenho um zumbido na cabeça e me sinto atraído pelo assunto como se fosse um ímã que não posso resistir até aprender mais” Estou dando instruções sobre como é sentir curiosidade. Como você sabe quando se está imensamente curioso?” Para responder a esta pergunta que você tem que tentar as duas frases e comparar os resultados. Agora estou fazendo o acesso aos seus sentimentos. Agora você tem 4 maneiras de acessar os sentimentos de uma pessoa, do mais fraco ao mais forte: 1. Dar as representações internas. “Você pode achar isso interessante”. 2. Dar um processo para sentimentos. “Quando eu estou interessado é porque de repente vejo todas as possibilidades e você pode imaginar todas as novas maneiras de pensar e de sentir”. 3. Fazer perguntas. “Como sabe quando está interessado em um assunto?”. 4. Uma combinação dos três. “Não sei você vai achar interessante este assunto. Certamente quando eu descobri pela primeira vez estes conceitos, comecei a pensar em muitas aplicações e meu interesse se transformou em euforia à medida que avanço por todos as aplicações, foi como se a temperatura no meu peito aumentasse enquanto mais e mais ideias me ocorriam. Como você sabe quando seu interesse evolui para excitação?”

Se envolva emocionalmente As pessoas compram por emoção, mas se auto convencem com razão e lógica. Há um padrão em PNL que evoca o estado emocional que você quer e pressupõe que seu cliente vai fazer o que você quiser. É muito simples de usar: Pense em quanta (emoção positiva) vai sentir quando finalmente (o que você quer que faça, pense ou sinta). Alguns exemplos: “Pense na felicidade que você vai sentir quando você finalmente tiver um belo  jardim”. “Pense no alívio que sentirá quando você finalmente deixar nosso consultório”. (Caso seja um dentista). “Pense em quanta tranquilidade a sua família terá quando finalmente se mudarem para esta casa”. Você deve pensar no tipo de emoção que você gostaria de fazer o seu cliente sentir, fazer uma lista e depois pensar em como pode alcançar os seus resultados fazendo com que ele faça o que você quer. Colocar a palavra “finalmente” é especialmente útil quando o resultado pode ser difícil (como perder  peso ou parar de fumar), e seus clientes já tenham experimentado muitas coisas até encontrarem o seu  produto. Você pode alterar esse padrão para adicionar uma emoção positiva e uma terceira pessoa (ou grupo). Por exemplo: “Pense na inveja que seus vizinhos vão sentir quando eles o virem dirigindo este carro”. Eu pessoalmente uso este padrão no final de minhas cartas de vendas, antes de encaminhar para a compra do produto.

Faça com que as pessoas usem a imaginação para conseguir o que você quer Se você está tentando influenciar as pessoas, é uma boa ideia conhecer seus sistemas de representação  preferidos. Por exemplo, músicos e mecânicos automotivos tendem a ser mais aditivos. Os quiropráticos são mais cinestésicos. Mas o que acontece quando não conhecemos os seus sistemas de representação preferidos? Felizmente temos uma palavra que podemos usar em muitas situações em que tentamos persuadir alguém. E provavelmente já a viu inúmeras vezes em anúncios publicitários bem-sucedidos. A palavra é “imagine”. Quando você usar “imagine” como um imperativo (comando ou instrução) é muito provável que envolva toda a experiência interior da pessoa.  – Imagine como será…  – Imagine por um momento, como será daqui a um mês…  – Agora imagine…  – Imagine o que você faria se…  – Somente imagine como se sentiria…  – O que acontece quando você imagina…?  No final deste quadro deve indicar o benefício do que você quer que faça. Também pode indicar as consequências de não fazer o que você quer que faça. Mas, em geral, é mais eficaz ter o foco de um  ponto de vista positivo. Por exemplo:  – “Imagine como vai ser depois que você dominar esses padrões de linguagem”.

 – “Imagine por um momento, como será no outro mês quando puder persuadir alguém com esses  padrões”. -“Imagine como você vai se sentir depois de experimentar o poder desses padrões de linguagem”. Esses padrões são muito eficazes se usadas em conversas (uma técnica conhecida como covert hypnosis). É desta forma que se implementa sugestões e provoca emoções.

Capítulo 3: Reunindo tudo A verdade sobre todos esses padrões é que não existe um padrão único que automaticamente lhe dê os resultados que deseja. O que faz com que funcione é ter um processo e uma sequência de padrões que guie as pessoas para os resultados desejados.  Neste capítulo reuniremos todas as peças para que você possa unir sequências de padrões “Roteiros” para acelerar o seu progresso

 Nesta lição, vamos nos concentrar em unir os padrões em alguns parágrafos e roteiros para que no  próximo capítulo possamos usá-los em negociações. A ideia é treinar seu cérebro para pensar estrategicamente sobre persuasão e como influenciar sem ter que se preocupar com padrões específicos de linguagem.  Neste ponto, algumas pessoas podem pensar que não veem a relevância dos roteiros e que prefeririam  praticar diretamente durante uma conversa. Se você pensa assim, eu poderia concordar com você, e a questão não é memorizar roteiros, mas aprender como funciona a linguagem persuasiva, construir uma biblioteca de frases úteis em sua mente e aplicá-las em um contexto real. Ao usar essa abordagem rapidamente aprenderá a integrar os padrões, eles se tornarão uma parte natural de sua linguagem e você também vai começar a pensar estrategicamente para aplicar sequências de padrões. Exemplo de uma abordagem estratégica Eu quero começar a pensar sobre a sequência de representações internas que levará o seu “sujeito” (eu uso o termo “sujeito” ou “cliente” indistintamente para me referir a pessoa que você deseja  persuadir). Digamos que você está escrevendo um discurso de vendas para um curso de desenvolvimento pessoal. Se bombardear o seu cliente com uma enorme quantidade de benefícios pode não ter o efeito desejado. Aqui está um possível roteiro que eu passaria ao cliente: 1. Gerar interesse / antecipação. 2. Reconhecer suas necessidades. 3. Estabelecer os benefícios de satisfazer essas necessidades, incluindo uma visão do futuro com maiores benefícios. 4. Entusiasmo para satisfazer essas necessidades. Por favor, note que este não é um processo de vendas como tal, mas apenas uma maneira de pensar sobre a jornada emocional que seu cliente fará.

Agora, se adicionarmos um pouco mais de detalhes a conversa ficaria assim: 1. Um breve relato de uma pessoa que está recebendo resultados incríveis (somente o resultado, não como conseguiu), terminando com uma frase do tipo “E você o que gostaria de realizar?”. 2. Perguntas pressupondo o que o impede de conseguir isso e as implicações de permanecer na mesma situação. 3. Frases de visão do futuro relacionadas com as ferramentas para fazer as coisas de forma diferente, como iria melhorar as coisas agora e quanto irá melhorar ainda mais no futuro. 4. Associe todos estes sentimentos ao produto que está sendo apresentado.

Desenvolvemos o roteiro um pouco mais, para você ter o exemplo completo: 1. Você já conhece a Andrea? Ela conseguiu realizar seu sonho de viajar e fazer documentários em todo o mundo, e foi inclusive patrocinada pela Pepsi. Na semana passada ela estava no deserto do Saara. É incrível como tudo o que ela precisa é pensar em seus sonhos e então realizá-los. 2. Não seria incrível se você também pudesse realizar os seus sonhos? Se pudesse, que sonho você realizaria? O que é importante para você em relação a.…? [Inserir aqui  suas respostas]. Não sei se você já tem pensado nisso, mas desde jovem tem todos esses planos, sonhos e ambições, e à medida que amadurece, está no caminho para obter as coisas que você quer. O que impede você de ir atrás de seus sonhos? [Neste ponto você deve aumentar os sentimentos negativos, como chegar ao fim da vida com ambições não cumpridas, imaginar o último minuto de vida e pensar em todas as coisas que  poderiam ter feito, etc. Faça isto com cuidado e não aprofunde muito, todos preferem pensamentos felizes]. 3. O que Andrea fez foi apenas uma pequena mudança em seu pensamento. Ele começou a fazer as coisas que sempre quis, mas que não sabiam como fazer. Incrível como ela conseguiu deixar todos os seus medos e erros no passado. Você também pode alterar as suas crenças, aumentar a sua autoconfiança e se motivar para fazer as coisas que você quer. [Observe a mudança de “Andrea” para “você”. Aqui parece óbvio, mas seu cliente não vai notar]. Como você se sentiria se pudesse deixar o seu passado e abraçar o futuro de tal forma que fizesse as coisas que sempre quis? [Enfatize isso o tanto que você quiser. Provavelmente a melhor maneira é fazer perguntas… Como se sentiria? O que seria? O que diria? etc.]. 4. A questão não é sobre Andrea alcançar estes resultados, mas que você também pode aprender a fazer o mesmo. Você gostaria de mostrar a seu cliente o curso em que Andrea aprendeu a mudar a sua mentalidade de tal forma que conseguiu tudo isso? Você já deve ter notado que isso não é um roteiro de vendas. É apenas uma viagem emocional para seu cliente e algumas ideias sobre como usar a linguagem. Você pode fazer este roteiro muito mais avançado, se você pensar nas objeções que  poderiam surgir, e se você já conhece o seu cliente, você pode integrar sua linguagem e interesses. Ficamos por aqui neste capítulo para que você tenha a oportunidade de pensar sobre o processo e o colocar em prática. Lembre-se que o objetivo aqui é pensar em termos de sequências de representações internas e em como a linguagem persuasiva se encaixa em tudo isso.

Capítulo 4: Avançar de monólogos para conversas persuasivas Agora veremos os roteiros que revisamos e vamos convertê-los em diálogos. A participação ativa da outra parte é a chave. Frequentemente você vai aplicar apenas uma semente de um pensamento na mente da outra pessoa e é tudo que você precisa para que ele faça o que quiser. Mas em geral a persuasão não é um monólogo, e sim um processo de duas vias que envolve ambas as  partes, e agora aprenderemos como criar um diálogo. Primeiro, vamos rever algumas ideias que já mencionamos, mas que vale a pena rever. Técnica de PNL: Posições perceptivas Quando eu planejo com antecedência um encontro persuasivo, a primeira coisa que faço é um exercício de posições perceptivas. Me imagino sendo meu cliente, seja um grupo de pessoas, um indivíduo ou uma organização. Obviamente, quanto mais eu os conheço, mais fácil e preciso será, mas eu faço este passo mesmo que eu não tenha sequer uma pista da pessoa envolvida. Desta forma, minha mente inconsciente tenta  pensar como os outros. Estou procurando entender suas crenças, valores, problemas e benefícios no contexto do que eu quero que eles façam. Tudo isso é muito útil em um contexto de persuasão. Basicamente eu construo o rapport antes mesmo de os conhecer. Linguagem de PNL: Apresentação do padrão Mencionei isso antes e acho que é importante repetir. A maioria das pessoas fala muito rápido ou muito alto para que as técnicas de persuasão realmente funcionem. É essencial ter a flexibilidade para reduzir ou aumentar a velocidade e o volume. Estas coisas se aprendem. Tenha como regra começar devagar e depois ir acelerando, isso passará a impressão de que está ganhando energia ou emoção. Comece rápido e diminuir a velocidade pode ser um indutor do transe muito bom. Conversas persuasivas Até agora, nós apenas analisamos roteiros e monólogos. No entanto, nos diálogos, a outra pessoa deve ter a oportunidade de falar, e você precisa ser capaz de se conectar com o que ela diz.  Neste momento você já deve ser capaz de pensar em outro nível e começar a notar as sequências de representações internas, a jornada emocional e buscar resultados específicos. Vou começar com um  processo geral para uma um diálogo. Se você está em uma situação de persuasão, você deve gerenciar a conversa e um bom processo seria: 1. informar: fazer uma sentença. 2. Convidar: pedir uma resposta.

3. Conhecimentos: Se assegure de que a outra parte saiba que você está ouvindo. Por exemplo:  – Informe: “John sempre faz boas festas”.  – Convide: “Como você o conheceu?”.  – Conhecimento: “No trabalho”.  – Informe: “John me disse que é um excelente lugar  para trabalhar”.  – Convide: “Que você faz aqui?”. Conhecimento/informe/convide: “Trabalho interessante, como você o conseguiu?”. E siga desta forma. Este é um diálogo comum, e você pode estar pensando por que eu o estou separando. A resposta é que eu preciso separar as partes,  para que possamos ajustar vários roteiros, enquanto nos preocupamos em manter o fluxo. Vamos rever a conversa, mas desta vez adicionando algumas mudanças de estados e padrões. Roteiro de diálogo usando PNL (O início) “Sempre fico feliz quando John me convida para uma de suas festas, porque eu sei que você conhecerá  pessoas interessantes”. Isso é pouco evidente, mas observe a mudança de “me” para “você”. Vamos ver mais alguns exemplos de comandos incorporados que eu normalmente uso. Eu vou destacá-los, para que você possa observar.  – Informe: “Como você conheceu o John?”. -Conhecimento: “Pelo que me contaram, deve ser um ótimo lugar para trabalhar”.  – Informe: “Parece ser um lugar com muitas pessoas legais. Eu gosto dos lugares onde você pode se entusiasmar e se apaixonar com o que faz”.  – Convide: “Você faz o que realmente ama?”. -Conhecimento: “Não tinha percebido como isso pode ser agradável”.  – Informe: “Eu li em algum lugar que a paixão, assim como qualquer outro estado emocional, leva tempo para alcançar sua máxima expressão”. Comigo esse processo é lento. Quando vejo algo pela primeira vez que eu acho que vou gostar, começo a pensar no que tem de interessante eu começo a ter uma sensação no meu estômago que se torna cada vez mais intensa, até que você acaba agindo por impulso”. É muito simples. Tudo o que você tem que fazer é saber em qual elemento da conversa está e o usar  para construir o próximo bloco. Agora, você precisa praticar o processo e aplicar em suas conversas. A primeira coisa que eu sugiro é que comece a deixar tudo fora, e focar no processo. Use o processo de informar, convidar e conhecimento apenas para guiar a conversa. Observe em como isto acontece naturalmente. Em poucos dias você estará familiarizado, vai começar a adicionar alguns padrões e você vai notar as reações que vai conseguir. Exclua todas as expectativas e apenas observe o que acontece. A ideia é que você jogue e pratique. À medida que você for construindo sua biblioteca de padrões e frases, automaticamente começará a guiar as conversas na direção que você quiser.

Capítulo 5: Abordagem estratégica de persuasão em vendas Agora veremos uma versão do meu processo de vendas, com explicações de alguns elementos da PNL. Espero que ao ler isso, você possa criar suas próprias ideias e compreender como os elementos da PNL podem ser integrados a este processo. Antes de se reunir com o cliente  –  Se certifique de ter a mentalidade correta.  –   Use as posições perceptivas para entrar na mentalidade do cliente e entender como ele pensa. Eu conheço o meu produto da perspectiva do cliente? Por exemplo: Quais os problemas que tem ou que precisar resolver? Quais os resultados que você pode esperar? Como articular esses benefícios para que se tornem significativos para o cliente? Abertura da reunião  –  Construir a confiança, rapport e estabelecer a cena.  –  Esclarecer os resultados para esta reunião.  –  Entregar um gancho ou incentivo para que o comprador queira se envolver no processo.  –  Usar a antecipação, definir as expectativas, estabelecer a base para qualquer elemento de persuasão que estou pensando em usar. Análise de necessidades Fazer perguntas para encontrar as necessidades do cliente e entender como o mundo é representado. Obviamente as questões se baseiam no contexto em que você se encontre, mas veremos algumas  perguntas que faço no contexto da venda de cursos de desenvolvimento pessoal:  –  O que você se vê fazendo daqui há 5 anos?  –  O quanto você acredita nisto?  –   Que habilidades, capacidades e mentalidade você deveria ter para que se torne mais fácil de alcançar?  –  O que acontecerá se você não experimentar essas mudanças?  –  Quais os benefícios que isso dará a você?  –  Por é importante que você alcance isso?  –  Que valor você dá a estas novas crenças e mentalidade que lhe permitirão atingir seus objetivos? Observe a sequência destas questões e observe também que são pressuposições. Elas estão especificamente nesta ordem para que o cliente avance desde identificar suas necessidades até as consequências de trabalhar ou não com essas necessidades. Se o cliente não tem uma necessidade, ou não associa um valor maior do que o meu preço para a solução, melhor me distanciar e continuar procurando, pois este não será meu cliente.

Vinculando soluções às necessidades Uma vez que o meu cliente esteja ciente de suas necessidades e reconheça a importância de satisfazer essas necessidades, apresento meu curso como uma solução. Ao estudar PNL, isto pode parecer um pouco complicado, por exemplo, muitos praticantes vão começar a falar sobre padrões hipnóticos, ancorar emoções positivas ao seu produto e estados negativos para o produto do competidor, usar diferentes técnicas de PNL, etc. Pessoalmente, eu creio que se você fizer as perguntas em uma sequência significativa e apresentar as suas soluções, também, de maneira significativa, pode manter as coisas simples e obter os r esultados desejados. Isso não o impede de usar padrões de linguagem e técnicas não-verbais da PNL, mas minha experiência me mostrou que, se, faço um bom uso dos fundamentos básicos, tudo o mais se sairá bem. Se eu me equivocar no básico, nem mesmo as técnicas avançadas de PNL disponíveis irão me servir. Lidar com as objeções  Normalmente com qualquer produto, serviço ou negociação de vendas, existem detalhes que precisam ser corrigidos. Portanto, eu sempre espero que meus clientes, perguntem, questionem e desafiam o meu produto, o processo ou o valor que eu estou oferecendo. As pessoas da área de vendas frequentemente têm problemas neste ponto, porque assumem os desafios como algo pessoal e como um sinal de que o cliente não comprará. Provavelmente as objeções só chegam quando o cliente está interessado no produto. Pense em sua própria experiência. Geralmente você não perde tempo fazendo perguntas sobre um produto em que não está interessado. O segredo para lidar com as objeções é reconhecer que são sinais de compra e lidar com elas adequadamente. Chamar para fechar o negócio Separei este tema, uma vez que pode ser um pouco problemático. Muitas pessoas têm medo de rejeição, ou simplesmente não acreditam em seu produto. A consequência disso é que eles nunca chegam a fechar um negócio. Normalmente, se você seguiu o  processo descrito acima, o cliente vai direcionar a situação e dizer já ouvi o suficiente e só quer fazer a compra.  No entanto, o normal é que você tenha que parar e perguntar ao cliente se ele está pronto para comprar agora. Se você não está pronto, você tem que voltar e descobrir o que está impedindo. Mesmo as pessoas que estão dispostas a comprar às vezes precisam continuar com algumas perguntas antes de fechar o negócio. Isto é normal e só precisam de um empurrãozinho para tomar a decisão.

Um padrão extra

Padrão extra Este é um padrão que você pode usar imediatamente para obter resultados. Trata-se de uma pergunta muito direta. O que eu preciso dizer ou fazer para que você (x) ?; Onde (x) é o que você quer que a outra pessoa faça. Esta pergunta é na verdade um processo de pensamento. E permite que você descubra os critérios que a pessoa precisa para que faça o que você quer. Parece óbvio, mas agora vamos discutir como fazer este padrão mais poderoso. E se eu não gostar da resposta? Por exemplo, em uma conversa para um encontro:  –  O que preciso fazer para que tenhamos um encontro?  –  Não teremos um encontro porque você não me atrai fisicamente.  –  Eu concordo que eu não sou fisicamente atraente, as a questão não é minha aparência, mas o quanto vamos divertir se tivermos um encontro. Em um diálogo de vendas:  –  O que devo dizer para que você decida comprar o produto hoje?  –  Você teria que me dizer que eu posso levar de graça.  –  A questão não é o custo do produto, mas quanto custará a você não ter o produto. O que você precisa que eu faça para que perceba quanto dinheiro está perdendo por não adquirir o produto?

View more...

Comments

Copyright ©2017 itdaklak.info Inc.
SUPPORT itdaklak.info